Coral de Trapani: o ouro vermelho do Mediterrâneo

coral de trapani

O coral de Trapani é, sem dúvida, um dos produtos de maior prestígio da Sicília. De fato, ao caminhar pelas ruas desta cidade do oeste da ilha, é possível ver diversas vitrines repletas de peças realizadas com este produto.

Mas por que o coral de Trapani se tornou tão importante? Antes de mais nada, um dos principais motivos são os recifes de coral perto de Trapani, assim como a sua proximidade a Palermo. Tudo isso tornou a cidade o principal centro europeu de produção de objetos feitos com coral e um dos portos comerciais de maior sucesso do Mediterrâneo.

Sejam seculares (caixas, espelhos, etc.) ou religiosas (crucifixos, cálices, fontes de água benta, etc.), essas peças, marcadas pela estética barroca siciliana, adornaram os interiores das grandes cortes da Europa entre os séculos XVI e séculos XVIII.

 

Uma antiga tradição

Colhe-se coral desde a Antiguidade. Ao longo dos séculos, ele foi usado como adorno, amuleto, remédio e até mesmo como moeda de troca. Com o coral, os antigos romanos já realizavam contas para colares, bem como miniaturas de figuras mitológicas e da natureza. Posteriormente, no século XIII, houve uma grande demanda de coral mediterrâneo na Índia e os comerciantes árabes o levavam até a China.  Nos dias atuais, no entanto, o uso deste material acontece sobretudo no âmbito da joalharia.

Vale ressaltar que foi no século XVI que o coral se tornou uma verdadeira mania. Naquela época, ele era considerado extremamente raro e valioso, devido às dificuldades que sua colheita criava. Além disso, o coral era o símbolo do sangue de Cristo e, na época, atribuía-se a ele virtudes mágicas para repelir o mal, promover a fertilidade ou detectar veneno nos alimentos.

vaso em coral de trapani

Par de vasos do século XVIII realizados com coral de Trapani e prata. Foto: Sailko (WikiMedia Commons)

Artistas de grande valor

Do século XVI até o final do século XVIII, Trapani tinha nas suas oficinas uma produção altamente especializada de obras em bronze dourado ricamente decoradas com corais. Esta era uma técnica exclusivamente siciliana que não se encontrava em mais lugar nenhum. Por exemplo,  se criavam verdadeiras obras de arte, onde pequenos pedaços de corais, aplicados em superfícies de madeira ou de metal dourado, decoravam todos os tipos de objetos, como porta-jóias, crucifixos, molduras, espelhos, entre outros. Além disso, minúsculas bolinhas de coral foram costuradas em vestidos caríssimos e em toalhas de altar muito valiosas.

Em suma, graças à imensa qualidade do trabalho, os mestres coraleiros de Trapani se tornaram famosos em toda a área do Mediterrâneo. Surgiram inúmeras oficinas de artesãos que realizavam jóias, objetos sagrados e profanos, bem como presépios onde o coral se misturava com ouro, prata e pedras preciosas.

Quer receber no seu e-mail notícias, novidades e curiosidades sobre a Sicília e o restante da Itália? Então cadastre-se na nossa newsletter!

Não se preocupe, pois odiamos spam! Enviamos no máximo um e-mail por mês.

 

Como se dá a transformação do coral de Trapani

coral de trapani

Antes de mais nada, a pesca destes organismos animais, que têm um precioso esqueleto calcário, acontece segundo uma técnica bem peculiar. Em prática, usa-se umas cruzes de madeira às quais se conectam redes de pesca que são arrastadas pelos barcos. Deste modo, o coral é partido na base, caindo na rede.

Uma vez em terra firme, lava-se o coral bruto, o qual é dividido de acordo com as cores, formas e tamanhos. Depois disso, os artesãos escolhem as peças a serem trabalhadas.

De acordo com o objeto que se deseja criar, a manipulação do coral pode acontecer de maneiras diferentes. Por exemplo, para criar elementos que irão se tornar parte de jóias, primeiramente corta-se o coral. Depois disso, ele é lixado até reduzí-lo a pedacinhos ou pequenas contas. Por outro lado, se a intenção é criar esculturas, então é necessário trabalhar os ramos maiores, para criar, com uma ferramenta específica, as obras de arte.

 

Lugares do coral de Trapani

Se você tem curiosidade em ver peças realizadas com o coral de Trapani, vale a pena visitar dois lugares: A Via Torrearsa e o Museu Pepoli.

Via Torrearsa e outros lugares do centro histórico

Esta é uma rua no centro histórico de Trapani, que um dia se chamou Via dei Corallari, isto é, a Rua dos Coraleiros. Imaginem que ali haviam 25 oficinas de artesãos do coral! Embora não haja mais essa quantidade toda de artesãos, entre a Via Torrearsa e o Corso Vittorio Emanuele, você encontra ainda alguns lugares que permanecem ligados à tradição.

Por exemplo, não deixe de ver a Bottega del Corallo, localizada em frente à Catedral de Trapani, no Corso Vittorio Emanuele. Outro lugar perto de lá, na mesma rua, é a joalharia de Cinzia Gucciardo que, desde 1950, evidencia o quão magnífico é o trabalho dos mestres do coral de Trapani.

Também vale a pena visitar a oficina-laboratório de Alfonso Graffeo, na via Antonio Roasi, 11. Ele é um joalheiro habilidoso, capaz de dar asas à sua criatividade criando lindos colares e broches embelezados com minúsculas folhas, rosas, lírios e composições florais de todos os tipos.

O Museu Pepoli

Se você tem curiosidade em ver de perto as incríveis obras realizadas com coral de Trapani nos séculos passados, então não deixe de visitar o Museu Pepoli, em Trapani.

O museu fica em um ex-convento do século XIII. Suas coleções incluem, além das preciosas peças em coral, também mármores, pinturas, cerâmicas, objetos em ouro, prata e presépios.

 

O último mestre do coral de Trapani

Definido l’ultimu mastru curaddaru, isto é, o último mestre artesão do coral, Platimiro Fiorenza é um escultor muito renomado. Nascido em 1944, ele iniciou a trabalhar no ateliê do pai quando tinha apenas 6 anos. Desde então, tem dedicado toda a sua vida a esta tradição antiquíssima. Em 2013, metre Fiorenza foi nomeado um dos Tesouros Humanos Vivos da Sicília.

Entre suas inúmeras obras destacam-se uma pia de água benta em ouro, coral e pedras preciosas, confecionadas para o papa João Paulo II, bem como a “Madona de Trapani”, em coral, ouro e pedras preciosas, que encontra-se exposta nos Museus Vaticanos.

O ateliê do mestre Platimiro Fiorenza, que se chama Bottega RossoCorallo, fica na Via Osorio, 36, em Trapani.

 

Agora conta para nós: você conhecia o coral de Trapani? Tem alguma peça realizada com este material incrível? Deixe sua mensagem na caixinha de comentários!

 

Comente!