Cerâmica siciliana

A fina arte da cerâmica siciliana


Atualizado em 19/11/2020

A cerâmica siciliana é um dos elementos artísticos mais característicos da ilha. Esta forma de arte única resultou em muitas grandes obras de arte sendo exibidas nas áreas da Sicília, seja através de museus, pontos turísticos ou mesmo através de artesãos e comerciantes em suas lojas e ateliês.

Aqui está uma visão geral das origens da cerâmica na Sicília, seus processos e as cidades onde são produzidas essas magníficas obras de arte.

cerâmica siciliana em Caltagirone
Um artesão trabalha a cerâmica siciliana em Caltagirone

As origens da cerâmica siciliana

Os primeiros vestígios da aparição da cerâmica na Sicília remontam ao período neolítico, o período de maior desenvolvimento das obras de cerâmica, juntamente com o período grego. Um fervor que diminui consideravelmente durante o domínio romano e bizantino para recuperar o vigor com a conquista árabe em 827. Foram os árabes que revolucionaram o estilo, as formas, as decorações e, em particular, as técnicas de processamento.

De fato, os árabes trouxeram para a Sicília a técnica de vitrificação de chumbo da cerâmica, aprendida na Pérsia, Síria e Egito, que consistia em cobrir objetos de cerâmica com substâncias capazes de vitrificar durante o cozimento. Entre estes, o elemento fundamental é certamente o silício, capaz de derreter a alta temperatura e dar cor à cerâmica, permitindo também impermeabilizar os recipientes.

Pinhas em cerâmica siciliana decoram a cidade de Comitini, próximo a Agrigento.


Na segunda metade do século XIV, com o surgimento da dominação espanhola, novas cores foram introduzidas, como o azul combinado com amarelo, verde e manganês. As influências do Renascimento continuaram até o início do século XVII, principalmente em Palermo, Messina e Siracusa. Nessas cidades, as indústrias locais passaram a imitar a maiólica* de Veneza, Cafaggiolo e Faenza, a primeira a ser conhecida na ilha. A produção palermitana é imposta em toda a ilha, com os belos vasos ovais que se referem aos vasos sicilianos-muçulmanos. A cor que domina é o azul cinerino, que no século XVIII se tornará azul profundo, até o azul, com motivos que refletem penas de pavão, decorações de vegetais, que mais tarde se tornarão decorações de relevo.

* Maiólica é uma cerâmica italiana envidraçada feita em cores deslumbrantes. A arte de fazer Maiolica se espalhou da Sicília por toda a Itália durante o Renascimento.

Cúpula Catedral de Caltagirone
Cúpula Catedral de Caltagirone, revestida com cerâmica.

A cerâmica de Santo Stefano di Camastra

Santo Stefano di Camastra é uma cidade no litoral norte da Sicília, a aproximadamente 50km de Cefalù. A cidade se desenvolveu graças à produção manual de cerâmica siciliana e hoje é o maior produtor da ilha.

Ao longo da estrada, você encontrará inúmeras lojas com fábricas anexas que exibem seus produtos coloridos: pratos, xícaras, jarros, louças, ornamentos, fontes de água benta, diferentes tipos de objetos, azulejos. Todos são decorados com pinturas típicas da Sicília, provenientes da antiga tradição da ilha de pintar as carroças sicilianas, que se tornaram famosas em todo o mundo.

Grande parte da cerâmica não é mais feita à mão, mas ainda existem pequenos artesãos que continuam a fabricar cerâmica de alta qualidade em modo artesanal.

Loja de cerâmica siciliana
Loja de cerâmica siciliana em Santo Stefano di Camastra

 

Caltagirone, a estrela da cerâmica siciliana

Faça um passeio por Caltagirone e você entenderá por que a cerâmica se tornou o destino desta cidade. Por dois milênios, a argila significou a vida para o povo de Caltagirone. A própria palavra Caltagirone deriva da frase árabe Qal’at al Ghiran, ou Rocha dos Vasos, que, segundo a lenda, é o nome que seus habitantes medievais deram a ela.

Escadaria de Caltagirone
A famosa escadaria de Caltagirone decorada com cerâmicas

Os designs são arrojados e ousados, com uma paleta dominada por azuis, verdes e amarelos. Esta cerâmica exala uma sensação de calor e alegria que parece que só poderia existir na Sicília.

O estilo distintivo da cerâmica Caltagirone é caracterizado por um fundo branco e paleta de cores limitada, focada em azuis brilhantes, verdes e amarelos. Hoje, a maioria dos artesãos que fabricam cerâmica em Caltagirone reproduz peças do auge da cidade, dos séculos XVII e XVIII. Caltagirone também é conhecida pela produção das belíssimas cabeças de cerâmica (leia sobre isso AQUI). Enquanto você passeia pelas ruas estreitas da cidade, cabeças coroadas de rainhas e reis olham para você pelas vitrines das lojas, junto com representações tradicionais de mouros, relembrando a história da Sicília.

Cerâmica siciliana
Um atelier de cerâmica em Caltagirone. As cabeças são onipresentes!

As formas mais tradicionais incluem frascos de farmácia com tampa decorados com santos e nobres; ânforas de aparência antiga; pratos com motivos vegetais; azulejos pintados com frutas e animais; cabeças de rainhas e reis; e formas decorativas como pinhas. As invenções mais modernas incluem luminárias de chão e lâmpadas.

Loja de cerâmica de Caltagirone

♥ Leia minhas dicas para visitar Caltagirone!

   

A cerâmica siciliana de Monreale

Uma das regiões da Sicília mais conhecida por sua cerâmica é Monreale, que é repleta de lojas de artesanato e artesãos exibindo seu trabalho. Um dos elementos-chave da cerâmica de Monreale é que os artistas da área trabalham muitono campo dos mosaicos – cujos resultados podem ser vistos não apenas nas galerias locais, mas também na Catedral de Monreale.

Cerâmica siciliana
A coloridíssima cerâmica de Monreale, também caracterizada pelos mosaicos. Essa é a lojinha Bisanzio, que eu recomendo!

Uma outra característica da cerâmica de Monreale são os azulejos. Os artesão produzem uma série de quadrinhos em forma de azulejo, uma ótima lembrança da Sicília para você levar para casa!

 

A tradição de cerâmica siciliana em Erice

A cerâmica de Erice adquire um valor particular porque foi redescoberta no século XX, em sua tradição histórica, após um período de escuridão que durou quase quatro séculos, durante os quais as técnicas e decorações foram perdidas.

Muito elegante, destaca-se de todas as outras cerâmicas da Sicília por suas suaves cores pastel e desenhos elaborados. Feita inteiramente à mão com técnicas que datam do século XV, dá vida a objetos do cotidiano, mas também a peças mais refinadas que são verdadeiras obras de arte.

Bate e volta de Trapani - Erice
Erice e suas cerâmicas

 

Sciacca e a cerâmica

A origem da cerâmica em Sciacca remonta ao período que vai do século VIII a.C. ao VI a.C. e ainda respeita as formas e cores da tradição antiga. Os artesãos de cerâmica de Sciacca têm um domínio hábil na criação de objetos individuais e, para eles, trabalhar essa matéria-prima é realmente uma arte autêntica.

Em Sciacca, existem cerca de cinquenta lojas de artesanato que oferecem inúmeras majólicas, tais como: louças, bonecos, cerâmica para móveis, azulejos, pratos, vasos e garrafas decoradas com cores azul, verde cobre, amarelo palha, amarelo palha, laranja e turquesa.

A bela cerâmica de Sciacca

 

A cerâmica de Burgio

Burgio é um dos centros de cerâmica da Sicília, onde por séculos diferentes estúdios familiares criaram peças de cerâmica distintas. Diferente de Santo Stefano di Camastra, Caltagirone e Sciacca, os desenhos de Burgio são retratados em tons de bege, marrom e branco. 

As argileiras presentes em Burgio há séculos sem dúvida alimentaram a capacidade de criar peças finas do nada. Em particular, uma sólida tradição se desenvolveu entre os séculos XVI e XIX, revigorada por um grupo de ceramistas de Caltagirone que transferiram sua arte para Burgio.

As numerosas lojas que surgiram, se multiplicaram e assim a produção de terracota envidraçada foi gradualmente enriquecida com novos designs altamente pessoais.

Foto: MUCEB

Se for a Burgio, não deixe de visitar o Museu da Cerâmica de Burgio, é um museu recente e muito bem feito!

 

ASICILIA5

Veja Também

onde foi filmado Rosa e Momo

Onde foi filmado Rosa e Momo?

Estreou no Netflix um novo filme estrelado pela lendária Sophia Loren: Rosa e Momo (em …

Comente!