Antonello da Messina: um gênio do Renascimento Italiano na Sicília

Antonello da Messina é o principal artista renascentista siciliano e, com seu trabalho, influenciou uma geração de artistas italianos. Considerado por muitos uma espécie de “elo perdido” entre o Renascimento Italiano e a Pintura Flamenga, Antonello foi um dos primeiros pintores a trazer para a Itália as técnicas de pintura a óleo da escola flamenga.

Nascido na cidade de Messina por volta do ano 1430, Antonello iniciou seus estudos artísticos entre sua cidade natal e Palermo, mas foi em Nápoles, cidade que acolhia artistas de várias partes da Europa, que o pintor completou seu aprendizado, sendo aluno de Colantonio. Foi neste período que Antonello da Messina encontrou Renato I, Rei das Duas Sicílias e um grande apreciador da arte e da pintura que criou ao seu redor um ambiente multicultural, onde os princípios da escola flamenga de misturavam com as influências ibéricas. Segundo alguns estudiosos, teria sido na côrte de Nápoles o primeiro contato do artista com pintores holandeses e provençais.

Antonello Ignoto Marinaio
Ritrato d’ignoto marinaio (retrato de um marinheiro desconhecido) foi uma das primeiras obras de Antonello da Messina (1470-72). É uma pintura a óleo sobre madeira, de 31 x 24,5cm, e está exposta no Museu Madralisca de Cefalú.

Não se sabe ao certo quem comissionou a obra, mas foi comprada pelo Barão Mandralisca, na ilha de Lipari. O Ritrato d’Ignoto Marinaio é comparado por muitos críticos de arte à Mona Lisa de Leonardo da Vinci. O olhar misterioso, o sorriso irônico do personagem fez com que alguém reagisse tão mal àquele ar provocador ao ponto de atacá-lo, causando-lhe 15 arranhões.

Além de Nápoles, Antonello trabalhou em Roma, Milão, Toscana, Marche, Veneza e na Provença. Em suas viagens, encontrou diversos artistas da cena renascentista italiana, entre os quais Piero della Francesca. Em suas viagens, o pintor realizou uma série de obras sob encomenda e trocou muitas ideias com artistas da época. Após cinco anos viajando, retornou à Sicília, onde pintou principalmente quadros com temas religiosos.

Antonello_da_Messina_035
A Annunciata (Virgem da Anunciação) é um de seus quadros mais famosos, realizado por volta de 1476. A obra representa um passo fundamental da pintura renascentista italiana e está exposta na Galeria de Palazzo Abatellis, em Palermo.

Antonello da Messina também realizou uma série de obras com o tema “crucificação”. A primeira delas foi a “Crucificação de Sibiu” e possui muitas características da pintura flamenga.

Outro quadro como tema “crucificação”, realizado por volta de 1475. É uma pintura a óleo sobre madeira, guardada no Koninklijk Museum voor Schone Kunsten de Antuérpia, Bélgica. A paisagem ilustrada por Antonello é típica de Veneza e será repetida em outra Crucificação.

Durante sua estadia em Veneza, Antonello da Messina apresenta à cidade a cor compacta e cristalina da pintura nórdica. As obras do artista siciliano pintadas em Veneza são de extrema importância por causa da influência que essas exercitaram sobre os artistas locais, principalmente Giovanni Bellini. O Retábulo de São Cassiano introduziu novas características no cénario artístico de Veneza.

Messina.Madona01
Esta é só uma parte do Retábulo de São Cassiano, obra realizada para a igreja homônima de Veneza. O retábulo foi dividido em várias partes e o que resta hoje está exposto no Kunsthistorisches Museum de Viena

Uma série de quadros de Antonello da Messina possuem o mesmo nome. São os “Ecce Homo”, quadros que ilustram Cristo com uma expressão dolorosa, sangrando, e que transmitem grande sofrimento. Os detalhes flamengos se casam perfeitamente com uma visão tipicamente renascentista.

Ecce Homo exposto na Galeria do Collegio Alberoni de Piacenza e assinado "Antonellus Me pinxit"
Ecce Homo (1475) exposto na Galeria do Collegio Alberoni de Piacenza e assinado “Antonellus Me pinxit”

Antonello da Messina retornou à sua cidade natal em 1476. Ali retratou a beleza de sua terra, o mar do Estreito de Messina, uma cidade portuária assim como várias outras por onde passou. A vida do artista é repleta de mistério e há bem pouco material sobre sua biografia. Muitas obras também desapareceram, soterradas pelo terremoto que destruiu Messina em 1908. Antonello morreu de tuberculose em 1479, quando tinha somente 39 anos, e sua sepultura se encontra em Messina, na igreja de Santa Maria de Gesù Superiore.

As obras de Antonello da Messina podem ser apreciadas em diversos museus do mundo, como a National Gallery de Londres, o Museu do Louvre, o Metropolitan Museum of Arte de Nova Iorque, a Galeria dos Ofícios de Florença, só para citar alguns.

Museus e galerias da Sicília com obras de Antonello da Messina:

Este post faz parte da Blogagem Tripla “Artistas do Renascimento Italiano”. Não deixe de ler o texto do Viagem na Itália sobre Rafael Sanzio e do Passeios na Toscana sobre Michelangelo.

Assine nossa newsletter mensal e receba dicas da Sicília no seu e-mail!

Veja Também

Arte Contemporânea na Sicília: o Farm Cultural Park

Uma dica do que visitar nos arredores de Agrigento: O Farm Cultural Park de Favara é uma galeria de arte contemporânea a céu aberto, o primeiro parque cultural da Sicília.

3 comentários

  1. Patricia, eu fiquei doida pelo que vi de Antonello no Palazzo Abatellis. Mais uma surpresa genial dessa surpreendente Sicília, um lugar muito especial. Bjo

Comente!