Erice, uma encantadora cidadezinha medieval

Erice é uma cidade tão pequena quanto linda e carregada de mitos, como todo burgo medieval que se preze, ideal para um passeio bate e volta para quem se encontra em Trapani, Castellamare del Golfo e outras localidades do oeste da Sicília. Localizada no topo de um monte, com pouco mais de 500 habitantes, Erice parece que parou no tempo. Só mesmo os grupos de turistas (principalmente alemães) e o preço do estacionamento para me lembrar que não estava na Idade Média.

Erice foi fundada pelos Elímios no século VII a.C. A mitologia conta que o nome Erice deriva de Éryx, filho da deusa Afrodite e do rei Butes. Em Erice, os Elímios construíram um templo em louvor da deusa da fecundidade. Ali os Fenícios passaram a adorar a deusa Astarte, depois deles os Gregos louvaram a Afrodite e os romanos a Vênus. No período romano, todos os anos milhares de peregrinos visitavam o santuário para participarem de rituais que incluíam a criação de pombos e a prostituição “sagrada” das hierodulas (meretrizes compradas para serem oferecidas à Vênus). Na era cristã, Erice continuou importante do ponto de vista religioso, pois ali, Normandos, Suábios e Espanhóis construíram mais de 60 igrejas.

Porta Trapani, uma das três portas de acesso ao centro de Erice
Porta Trapani, construída no período normando, uma das três portas de acesso ao centro de Erice. O poste vermelho sou eu, congelando do frio.

As muralhas de Erice são muito antigas, de época elímio-púnica (século VIII a.C.). Em algumas das pedras dos muros estão escritas as letras do alfabeto fenício “beth”, “ayin” e “peh”, que poderiam significar que a muralha possui olhos para ver o inimigo, boca para comê-los e é um porto seguro para os habitantes da cidade. Tão fabuloso, não?

Torre do Rei Frederico e a Catedral de Erice
Torre do Rei Frederico e a Catedral de Erice

Na perspectiva da foto parece que a torre e a catedral são um único edifício, mas na verdade são bem separados. A Catedral de Erice, em estilo gótico, foi construída sob ordem do rei Frederico II de Aragão em 1312, utilizando material proveniente do templo de Vênus (já vi esta história antes). Já a torre remonta aos séculos IV ou III a.C., o período em que Roma combatia contra Cartago pelo domínio da área do Mar Mediterrâneo, mas teria sido reconstruída no final do século XIII, também sob ordem de Frederico II, tornando-se, posteriormente, o campanário da igreja.

É possível visitar a parte interna da torre e o ingresso custa 2 euros. Com bastante fôlego e concentração para subir os 108 degraus da escada em espiral, chega-se ao alto da torre. No meio do caminho é possível dar uma descansada e parar para admirar o panorama de Erice pelas janelas ogivais. O vento no alto da torre é incrivelmente forte, tanto que eu não consegui ficar mais que dois minutos do lado de fora.

Erice vista do alto da Torre
Erice vista a partir de uma das janelas da Torre

A fachada da Catedral ainda é a mesma desde a construção, mas a parte interna foi reconstruída em estilo neogótico no século XIX, depois do teto ter desabado duas vezes, em 1853 e em 1857. A particularidade desta igreja é a decoração minuciosa do teto e de algumas partes da parede. Parecem de renda!

20140419_180207
O ingresso para entrar na Catedral também custa 2 euros, como aquele da Torre.

Tive a sorte de visitar Erice em um dia de sol (apesar do vento extremamente forte). Devido à altura do lugar, em um dia nublado, é possível caminhar literalmente no meio das nuvens e a visibilidade nas ruazinhas fica quase zero.

Erice

As ruas de Erice são repletas de lojinhas de souvenirs, restaurantes e confeitarias. De longe dá para sentir o perfume maravilhoso de doces recém-saídos do forno. Não deixe de parar na Pasticceria Maria Grammatico para comer uns docinhos acompanhados por uma boa taça de Marsala. Entrei na confeitaria morrendo de frio e saí de lá revigorada, pronta para continuar batendo perna no sobe e desce das ladeiras de Erice :). Recomendo muito um doce chamado “genovese“, uma espécie de broa recheada com creme. É de comer rezando!

E o que dizer do panorama que se tem lá do alto, que dá para ver desde San Vito Lo Capo até as ilhas Égadi?

Um dos tantos mirantes de Erice
Poderia ficar horas e horas curtindo esta paisagem

O cartão postal de Erice é o magnífico Castello di Venere (Castelo de Vênus), uma fortaleza construída pelos normandos bem onde surgia o templo de Afrodite, entre os séculos XII e XIII. Infelizmente não consegui visitá-lo por dentro, pois quando cheguei lá já tinha encerrado o horário de visitação. Sei que somente algumas partes do seu interior podem ser visitadas, mas mesmo por fora dá para captar a força defensiva que possuía este castelo.

20140419_185909

 

Como chegar a Erice

– É possível utilizar a funicular que liga Trapani (localidade de Casa Santa) ao Monte Erice. A passagem de ida e volta custa 9 euros.

– Utilizando os ônibus da empresa AST que saem de Trapani;

– De carro, percorrendo a estrada panorâmica cheia de curvas que conduz ao topo do monte Erice. Neste caso, prepare-se para o preço salgado do estacionamento (cerca € 2/h)

 

Dicas e informações úteis sobre Erice

– O castelo pode ser visitado todos os dias, das 10 às 16h no período de 01/01 até o último domingo de março, até as 18h até 31/05, até as 19h de 01/06 a 14/07 e de 15/09 até o último domingo de outubro, até as 20h de 15/07 a 14/09. No período que vai do dia seguinte ao último domingo de outubro até 31/12, o castelo abre somente nos sábados e domingos, das 10 às 16h, e de segunda a sexta somente mediante reserva, através do telefone  +39 3666712832. A entrada custa 5 euros (€ 6 em caso de ingresso combinado castelo + museu).

– Meninas, estão pensando em visitar Erice de saia? É extremamente desaconselhável! Nunca se sabe como vai tá a ventania lá em cima, então é melhor prevenir do que remediar. 

– Mesmo no verão, é recomendável levar um agasalho.

– Por fim, não perca o pôr do sol em Erice. É divino!

20140419_193722

 

Assine nossa newsletter mensal e receba dicas da Sicília no seu e-mail!

Veja Também

Degustando Marsala: Como é a visita à vinícola Pellegrino

Marsala. Na pátria de um dos vinhos fortificados mais famosos do mundo não pode faltar …

17 comentários

  1. Muito obrigada Patrícia!!
    Vou pesquisar mais

  2. Oi Patricia!
    Acho que esta cidadezinha é exatamente o que eu e meu marido estávamos procurando para conhecer dentre outras coisas na Sicilia.
    Talvez consigamos estar ai em julho/17, ele é professor de história e queríamos pelo menos passar uma noite numa pequena cidadezinha medieval.
    Será que lá tem algum hotel B e B, que se utiliza de algumas destas construções milenares?
    Não queríamos ir de carro, gostamos muito de caminhar, gostaríamos de fazer a cidadezinha a pé, é segura? Você acha que existe um bom meio de transporte público para chegarmos até ela com malas?
    De onde recomenda sairmos?
    Ou acha que a melhor solução seria um alguem de carro? Lembrando que queremos ficar pelo menos uma noite.
    Grata.

    • Patricia Kalil

      Olá Sandra!

      Erice é realmente uma cidade encantadora. Boa parte dos B&Bs de lá utiliza as contruções antigas, veja essas opções aqui: http://www.booking.com/searchresults.html?city=-117077&aid=393726&no_rooms=1&group_adults=1

      A cidade é muito segura, como todas as cidades pequenas da Sicília. E o único jeito de conhecê-la é mesmo a pé, porque ela muito pequena e é proibido o trânsito de veículos em boa parte do centro.

      Considere que é Erice é um vilarejo no topo de uma montanha, portanto não há muitas opções de transporte público, aliás só tem 1. Como indiquei no texto, há um ônibus que sai de Trapani (é de lá que eu recomendo você sair. Para ir de Palermo a Trapani também tem que ser de ônibus). Uma outra opção ainda é contratar um táxi ou um transfer particular para chegar lá.

      Enfim, de carro você chega a Erice quando quiser, sem se preocupar com os horários, porém há alguns contras: o estacionamento não é barato e a estrada para chegar lá é cheia de curvas fechadas. Se achar complicado pegar o ônibus, considere contratar um táxi ou transfer.

      Se tiver mais dúvidas, pode perguntar.

      Um abraço,

      Patricia

  3. Oi Patrícia, tudo bem? Estou pesquisando sobre vinícolas com hotel na região de Palermo, Agrigento, Siracusa ou Taormina, você conhece algum pra indicar? Obrigada.

  4. Maria Teresa Ciavaglia Junqueira

    Olá,Patrícia
    Vou abusar mais um pouco.Sairemos de Palermo para visitar Segesta e Erice e dormiremos em Menfi.
    Dúvida,sair de Palermo para Segesta,depois Érice e ir para Menfi pela costa,passando por Marsala?
    Oi dá tempo de sair de Palermo,passar por Castellamare del Golfo,Segesta,Erice e voltar pela A29?
    Ou ir de Palermo,Castellamare del Golfo,San Vito lo Capo,Erice e Segesta???
    Um abraço

    Obrigada

    Maria Teresa

    • Patricia Kalil

      Maria Teresa,

      De todas as opções que você citou, a melhor é Palermo – Castellamare del Golfo – Segesta – Erice, voltando pela A29. Até dá tempo passar em Castellammare, mas vocês só vão chegar na praia, ficar uma meia hora e voltar. Será que vale mesmo a pena esse desvio?
      Nossa, vocês vão dar a volta na Sicília! Que legal! Uma curiosidade: Por que escolheram Menfi para dormir? É muito inusual, uma vez que é uma cidade totalmente fora da rota turística.
      Depois vou adorar saber como foi essa viagem, heim?

      Um abraço,
      Patricia

      • Maria Teresa Ciavaglia Junqueira

        Oi Patrícia,obrigada por nos orientar.
        Seremos 3 casais,chegando em Palermo,2 noites.
        Sairemos de Palermo com uma van e motorista por 5 dias,passando por Segesta,Erice.Dormiremos na Foresteria Planeta,fora da cidade,por ser um lugar bem simpático, e não termos que voltar para Palermo.
        Próxima parada será Valle dei Templi, dormiremos no Villa Athena,para curtir aquela vista noturna.
        Depois iremos para Siracusa,ficando em Ortigia por 2 noites e no caminho ficou aquela dúvida,Villa del Casale+ Caltagirone ou Ragusa????.No segundo dia de Siracusa,vamos à Neapolis e Noto.
        De Ortigia vamos para Taormina por 3 noites.Termina o serviço do motorista.De Taormina,tem a opção de ir ao Etna,mas nem todos vão.
        Voltaremos por Catânia.
        Apesar de não conhecer a Sicilia,pesquisei vários roteiros e opções,organizei tudo sozinha pela internet.
        Só descobri o seu site/blog depois.
        Estou curtindo muito organizar esse roteiro,dou uma peneirada e depois discuto com os outros e decidimos.
        Espero que a Sicilia me encante tanto quanto tenho sido encantada pela minha bella Italia(meus avós paternos eram italianos).
        Um abraço

        Maria Teresa

  5. Ola Patricia,estou conhecendo seu blog agora e ja estou nas nuvens!!!!!vou com minha irma para a Sicilia entre 1 e 15 /11/2014 .
    De 1 a 10/11 estaremos num workshop de gastronomia entre Taormina e Modica.
    Depois quando o grupo retorna ao Brasil, ficamos eu e minha irma ate 15 para curtir mais um pouco.Nossa ideia e alugar um carro e chegar ate Palermo .VOu ler seu blog todo mas se vc tiver alguma dica espacial estamos abertas a sugestoes!
    bjs
    Vania Maria

  6. Patricia, tenho otimas lembranças de Erice… fiquei quase um dia inteiro… saudade! Lugar MARAVILHOSO!!!!
    Preciso voltar pra Sicilia…
    bjo

  7. É um burgo realmente muito charmoso, que dá para visitar em qualquer época do ano. Estive lá no último verão e a vista era um espetáculo. Tem algumas fotos lá no meu blog: http://www.brasilnaitalia.net/2013/09/erice-um-lindo-burgo-na-sicilia-com-vista-para-o-mar.html
    Abraços para você e até mais,
    Barbara

    • Oi Bárbara!
      PARA TUDO!! Nossos posts têm praticamente o mesmo título? Eu não sabia que você tinha escrito sobre Erice. Vou mudá-lo agora mesmo, deixando somente “uma cidadezinha medieval” hahaha. Sem vista!
      Um abraço,
      Patricia

Comente!