Quantas curiosidades sobre a Calábria você conhece? Talvez esta seja a terra dos seus antepassados, pois foram muitos aqueles que emigraram da Calábria para o Brasil.

De fato, a Calábria é uma terra de grandes belezas naturais, tradições antigas e uma cultura gastronômica fortíssima. Mais de 3000 anos atrás os gregos desembarcaram na região e fundaram um grupo de colônias que logo se tornaram ricas e potentes. Isso até hoje se reflete na história e determinaram a origem de uma série de curiosidades sobre a Calábria.

Enfim, veja 12 curiosidades sobre a Calábria que vão fazer aprender muito mais sobre esta incrível região do sul da Itália!

 

1. É  a “ponta da bota”

A Calábria é a região que constitui a “ponta da bota” no mapa da Itália. Localizada, portanto, no sul da Itália, a Calábria tem um clima tipicamente mediterrâneo. Os verões são quentes e secos, enquanto no inverno a temperatura é amena.

A região é dividida em 5 províncias: Reggio Calabria, Vibo Valentia, Catanzaro, Cosenza e Crotone. A cidade de Catanzaro é a capital da Calábria.

 

2. Um dia se chamou Itália

Antes de tudo, voltemos à Idade do Ferro, que vai do século XII a.C. ao século VIII a.C. Naquela época, os Enótrios viviam no sul da Campânia, Puglia, Basilicata e Calábria. Essas três regiões faziam parte da Enotria.

De fato, o nome desta terra e da população que a habitava deriva de Enotro, uma figura da mitologia grega que, por várias razões, decidiu deixar a Grécia e se estabelecer nesses lugares na Itália. Os Enótrios foram provavelmente os primeiros colonizadores gregos do sul da Itália.

Ítalo era um herói da mitologia grega, rei dos Enótrios. Durante seu reinado, os Enótrios não eram mais chamados assim, mas receberam o nome de Ítalos, que deriva do nome do rei. Enotria, por sua vez, passou a se chamar Itália. Com o tempo, porém, apenas a Calábria ao sul de Catanzaro e Lamezia Terme até a ponta da bota foi indicada como Itália (veja no mapinha acima, que a ponta da bota se chama “Italia”).

Posteriormente, durante o Império Romano, o termo Itália se estendeu aos Alpes. De fato, todos os seus habitantes eram considerados itálicos e romanos.

E o nome Calábria, de onde veio?

Esta palavra designava a península de Salento (também dá para ver no mapa), enquanto a Calábria de hoje, junto com a atual Basilicata, formava o Regio III Lucania et Bruttii. No entanto, quando as duas penínsulas foram unificadas pelos bizantinos, o nome da Calábria foi usado para identificar também a região de Bruttii. Posteriormente, o nome foi usado para designar apenas a atual península da Calábria, que ainda mantém o nome.

Enfim, durante o final da Idade Média e a era moderna, o termo Calábria foi transformado em Calabrie (Calábrias), com a divisão do território nas duas províncias napolitanas da Calabria Ulterior e Calabria Citiore.

 

3. Tem um dos vinhos mais antigos da Itália

Uma terra antiga não poderia que não ter também uma antiga cultura enogastronômica, não é?

A uva “Greco Bianco” foi levada para a Calábria pelos antigos gregos por volta do ano 700 a.C. Para que se tenha uma ideia, os vinhos oferecidos aos vencedores das Olimpíadas, que aconteciam a cada quatro anos em Olímpia, na Grécia, eram provenientes da Calábria. No antigo porto de Sibari, verdadeiros “enodutos” facilitavam o transporte do vinho carregado em ânforas de terracota e exportado pelos romanos para o mundo conhecido na época.

Infelizmente, após a destruição causada pela filoxera no final do século XIX, pouco resta desse passado glorioso. De fato, muitas vinhas desapareceram e não foram replantadas, em parte também devido à emigração maciça da população que ocorreu nos anos 50.

 

4. Calabreses gostam de pimenta!

A Calábria é o principal produtor e consumidor do peperoncino (pimenta). As pimentas da Calábria são consumidas de todas as formas possíveis. Você pode encontrá-las secas, em conserva, recheadas com atum ou refogadas, só para citar alguns modos. Além disso, eles são o principal ingrediente da pasta all’arrabbiata.

LEIA TAMBÉM:  Nduja, o salame típico da Calábria

 

5. É cheia de cidades-fantasma

Isso mesmo que você leu. Sem dúvida, uma das grandes curiosidades sobre a Calábria são esses lugares abandonados chamados cidades-fantasma.  Atualmente conta-se que haja 20 delas.

Cidade fantasma é um termo que se utiliza para descrever cidades onde já não há mais habitantes. Os motivos deste abandono podem ser sociais, como o fracasso da economia local e/ou o êxodo da população para áreas mais prósperas. Enfim, um outro fator pode ser tambem guerras ou desastres naturais.

As dez cidades fantasma mais famosas da Calábria, inclusive que viraram atração turística, são as seguintes:

  • Pentedattilo
  • Roghudi Vecchio
  • Cerenzia Vecchia
  • Cirella Vecchia
  • Fantino
  • Africo Vecchio
  • Papaglionti
  • Laino Castello
  • Panduri
  • Cavallerizzo di Cerzeto
LEIA TAMBÉM:  Cidades Fantasma da Sicília: Poggioreale e Gibellina

 

6. O litoral da Calábria é deslumbrante

A Calábria tem 800km de litoral com águas cristalinas e azul-turquesa. De fato, as praias da Calábria são um destino de férias popular no sul da Itália.

Por exemplo, um dos destinos imperdíveis é Tropea. Sem dúvida alguma é uma das cidades mais bonitas da Calábria!

 

7. Tem minorias linguísticas

Comunidade albanesa em trajes tradicionais. Foto de Daniele Aiavolasit

Além do italiano, os calabreses falam o dialeto calabrês. Mas uma das curiosidades sobre a Calábria são suas minorias linguísticas. Por exemplo, existem comunidades gregas que vivem nas montanhas na província de Reggio Calabria. Eles são principalmente pastores e agricultores em áreas isoladas e ainda hoje falam grego.

Outra comunidades são os valdenses, que se instalaram nas montanhas da província de Cosenza no século XII para escapar da perseguição religiosa. Infelizmente, muitos deles foram exterminados. No entanto, a população sobrevivente mantém seus costumes, dialeto e sotaque.

Ainda, os albaneses são a maior minoria étnica da Calábria na Itália. Eles fugiram para as colinas da província de Cosenza para escapar da perseguição religiosa no século XV. De fato, eles mantêm suas tradições, são uma comunidade unida e, falam sua língua materna, o Arbereshe, fluentemente.

LEIA TAMBÉM:  Dialetos da Itália: sabia que o italiano não é a única língua falada no país?

 

8. É a terra da bergamota

Uma frutinha chamada laranja-bergamota (Citrus bergamia) de Reggio Calabria é uma das mais procuradas no mundo pela indústria de perfumes. O óleo de laranja-bergamota é produzido ao longo da costa, desde Villa San Giovanni, no mar Tirreno, até Gioiosa Ionica, perto do mar Jônico. 

Para que se tenha uma ideia, são necessários aproximadamente 200kg de frutas para fazer um litro de óleo essencial. Usa-se a essência também na fabricação do chá Earl Gray.

 

9. É onde nasceu Gianni Versace

Você sabia disso?

Pois é, Gianni Versace, assim como a irmã, Donatella, nasceu e cresceu em Reggio Calabria. Além disso, Francesca, a mãe deles, era costureira, e o ensinou a costurar ainda jovem. Para que se tenha uma ideia, Versace fez seu primeiro vestido quando tinha apenas 9 anos de idade.

10. O maior parque da Itália fica na Calábria

O maior parque da Itália, talvez também um dos menos conhecidos, é o Parco del Pollino, entre a Basilicata e a Calábria. Ele se estende por mais de 192 mil hectares, contemplando 56 cidades.

 

11. Scilla, a lenda que deu nome a uma cidade

Scilla é uma cidade lindíssima no litoral da Calábria. Mas você sabia que o nome dela provém de uma lenda muito interessante? É a lenda de Cila, (em italiano, Scilla), que foi descrita na Odisséia de Homero!

a cidade de Scilla, na Calábria

A cidade de Scilla

Cila era uma esplêndida ninfa de olhos azuis, por quem Glauco, uma divindade marinha, meio homem e meio peixe, se apaixonou loucamente. A ninfa sempre se banhava nas águas de Zancle (hoje a cidade de Messina, na Sicília) e em uma dessas vezes, Glauco a viu e se apaixonou. Mas Cila não deu a mínima para os sentimentos de Glauco e o recusou. Este, por sua vez, procurou a feiticeira Circe para que o ajudasse, mas ao invés disso ela se apaixonou por ele.

Desapontada porque Glauco amava outra, Circe se vingou e jogou um feitiço no mar de Zancle. Assim, quando Cila mergulhou no mar, transformou-se em um monstro, com 6 cabeças de cachorro enormes e pernas semelhantes a cobras.

Então, horrorizada, a ninfa foi se esconder em uma caverna na costa da Calábria. Neste lugar, que ficava de frente para a Sicília, vivia outro monstro marinho, Caríbdis. De lá, os dois monstros semeavam terror e morte entre os marinheiros que, imprudentemente, passavam por ali.

Por esse motivo, nos tempos antigos, todos os marinheiros preferiam passar longe desses lugares.

 

12. Um fenômeno chamado “Fada Morgana”

Estreito de Messina

Estreito de Messina

Se em um dia quente de verão, ao caminhar pela orla de Reggio Calabria, você conseguir ver cidades e edifícios na costa da Sicília se deformando e se espelhando entre o céu e o mar, tão perto a ponto de distinguir os habitantes, não se assuste! Você é apenas vítima de um feitiço (brincadeirinha…). É ela: a Fada Morgana.

Reza a lenda que até o rei Rogério I de Altavilla ficou encantado com o fenômeno. Sendo assim, para induzí-lo a conquistar a Sicília, a Fada Morgana, com um golpe de varinha mágica, a fez parecer tão perto que podia tocá-la com a mão. 

Na verdade, trata-se de um fenômeno da física que acontece quando, na superfície do mar, pequenas gotículas de água rarefeita atuam como uma lupa.

***
Então, você conhece outras curiosidades sobre a Calábria? Vamos falar na seção de comentários abaixo. 

 

Quer receber no seu e-mail notícias, novidades e curiosidades sobre a Sicília e o restante da Itália? Então cadastre-se na nossa newsletter!

Não se preocupe, pois odiamos spam! Enviamos no máximo um e-mail por mês.

Comente!