Logo

Marsala, muito mais que um bom vinho

Por

Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someonePrint this page

Olhando para o mapa da Sicília, no ponto mais a oeste, localiza-se Marsala, cidade que deu nome ao vinho fortificado conhecido no mundo inteiro, mas que também é cheia de atrações e possui uma história pra lá de antiga.

A propósito de história, o nome Marsala deriva da expressão árabe “Marsa Allah”, que significa “Porto de Deus”. Mas muito séculos antes da chegada dos árabes, no ano 397 a.C., os fenícios fundaram a cidade de Lilibeo, palavra que quer dizer “cidade que olha para a Líbia”, pois era chamada Líbia toda a costa norte da África. Marsala também possui uma importância significativa para a história da Itália, pois foi ali que Giuseppe Garibaldi e os Camisas Vermelhas desembarcaram em 11 de maio de 1860, dando início ao processo de Unificação da Itália, que até então era dividida em vários reinos.

Marsala também é um lugar ideal para um agradável passeio de poucas horas. O centro histórico é pequeno, fechado para o trânsito e nele estão situados as principais igrejas e palácios de grande valor artístico e que carregam os traços das dominações que passaram pela cidade. O tom ocre dos edifícios nos remete ao norte da África e quase parece que estamos revivendo momentos de um passado distante.

Entrando no centro da cidade pela Porta Garibaldi (foto no início do post), que possui este nome porque foi por ali que Garibaldi e a Expedição dos Mil entraram na cidade, nos deparamos imediatamente com o “Quartiere Spagnolo”, ou seja, o quartel dos soldados espanhóis durante o século XVI, e portanto fase da dominação espanhola na Sicília, o período mais difícil para Marsala.

Quartiere Spagnolo, hoje sede da Prefeitura de Marsala

Antigo Quartel Espanhol, hoje sede da Prefeitura de Marsala

A Porta Garibaldi, antes da chegada do Herói dos Dois Mundos, chamava-se Porta di Mare, por estar na direção do mar. Anexo a ela se encontra o Santuário de Maria Santissima Addolorata, ou Igreja da “Madonna del Fulmine” (Nossa Senhora do Raio). A construção de tal igreja está ligada a um evento que aconteceu em 1691: durante uma tempestade algumas pessoas correram para debaixo do arco da porta para se protegerem da chuva. Assim que um rapaz desceu do cavalo, um raio caiu nas proximidades, percorreu um espaço e parou no cavalo. Como debaixo do arco havia uma imagem de Nossa Senhora, o evento foi considerado um milagre e daí foi construída a igreja.

20140421_113137

Santuário de Maria Santissima Addolorata

A praça principal da cidade é a Piazza Loggia e lá se encontra a Igreja Matriz, que é dedicada a São Tomás Becket (ou São Tomás de Cantuária). A igreja é uma das maiores da Sicília e foi construída em 1176, por desejo de Joana de Inglaterra, Rainha da Sicília, que queria redimir a culpa do pai, Henrique II,  acusado de ter mandado matar Tomás Becket. O aspecto atual da igreja remonta ao século XVII.

20140421_112416

Bem atrás da Igreja Matriz está localizado o Museu da Tapeçaria Flamenga de Marsala. Oito tapeçarias do século XVI narram a história a destruição de Jerusalém durante a guerra Judaico-Romana. As tapeçarias flamengas – que se encontram em ótimo estado de conservação, pois foram restauradas na década de 70 – foram doadas à Igreja Matriz de Marsala em 1589 pelo Arcebispo de Messina, Monsenhor Lombardo, que por sua vez as recebera de presente do Reino de Espanha.

Tapeçaria flamenga que ilustra a Coroação do Imperador Romano Vespasiano

Tapeçaria flamenga que ilustra a Coroação do Imperador Romano Vespasiano

Deixando a história de lado, passamos ao elemento que tornou Marsala famosa no mundo inteiro e que é a base de sua economia: o vinho, mais especificamente o vinho marsala, do qual dependem inteiras famílias de agricultores, viticultores e comerciantes.  Marsala é uma grande meta do enoturismo na Sicília e suas cantinas históricas, como já expliquei no post sobre as Estradas do Vinho, propõem percursos de visita aos estabelecimentos de produção e degustação de vinhos.

Cantina Pellegrino, uma das maiores e mais importantes da Sicília

Cantina Pellegrino, uma das maiores e mais importantes vinícolas da Sicília

Placa que indica a Estrada do Vinho Marsala

Placa que indica a Estrada do Vinho Marsala ou Terras de Ocidente

 

Dicas e info úteis:

– A Via Garibaldi, a rua principal do centro histórico de Marsala e a mesma onde estão localizados a Igreja Matriz e o Quartiere Spagnolo, é cheinha de bares, cafés e enotecas. Parei em um dos cafés e pedi uma taça de marsala doce acompanhada por biscoitinhos de amêndoas. Passei momentos de puro êxtase;

– O Museu da Tapeçaria Flamenga (Museo degli Arazzi Fiamminghi) fica um pouco escondido. Para ficar mais fácil achá-lo ele está situado na Via Garraffa, 57, que é uma ruazinha estreita. O museu funciona de terça a sábado das 9 às 13h e das 16 às 18h, e aos domingos das 9h às 13h. O ingresso custa € 2,50;

– É possível conhecer Marsala tranquilamente em um dia. Portanto, se você está em Trapani, Castellamare del Golfo, San Vito Lo Capo, enfim, cidades do oeste da Sicília, por que não aproveitar para dar um pulinho lá?

– Em Marsala há um museu onde está exposta a carcaça de um navio cartaginês provavelmente naufragado no ano 241 a.C. e inúmeros achados arqueológicos da cidade de Lilibeo. O museu está localizado dentro de um ex-estabelecimento vinícola chamado Baglio Anselmi e fica aberto para a visitação todos os dias, das 9 às 19h (às segundas-feiras só até 13h) e o ingresso custa € 4.

– Perto do Museu Baglio Anselmi, percorrendo a orla na área de Capo Boeo, se encontram os restos de uma villa romana do final do século II d.C com lindos mosaicos.

 

Como chegar a Marsala

Marsala fica bem pertinho do aeroporto de Trapani-Birgi (cerca de 16km). Dali é possível chegar a Marsala de ônibus, com a empresa Salemi, ou de carro, percorrendo a rodovia SS115.

Para quem vem de Palermo, há vários horários diários também com a empresa Salemi. Para ver os horários dos ônibus de Palermo a Marsala, clique AQUI. No caso de quem vem de Trapani, a empresa é a AST.

 

Reserve já seu hotel na Sicília!*

* Se você acessa o site do Booking através da caixa acima e faz uma reserva, além de ter utilizado um dos sites mais confiáveis do mundo, ainda ajuda o blog com uma pequena comissão. E o mais importante: nenhum encargo é repassado para você!

 

Curta o blog no Facebook!

Assine nossa newsletter mensal e receba dicas da Sicília no seu e-mail!

4 Comentários

  1. Olá Patricia, boa tarde !

    Já estive na Sicilia em 2015, e suas dicas foram muito úteis naquela viagem, obrigado !
    Este ano pretendo ir novamente ai (Julho)!
    Quando fui não conheci essa parte oeste, e gostaria de visita-la nessa viagem, entretanto
    estou um pouco perdido…rs
    Vou dispor de uns 04 ou 05 dias para ficar nessa região, e pelo que vi as localidades principais não são tão vizinhas…Devo me concentrar mais em uma cidade , ou fazer uma base e vistar vários locais…
    Me ajude pro favor !!!!rs Estarei de carro.
    Uma coisa que queria fazer com certeza é visitar a vinicola donnafugata, é em marsala, não?. A Gulfi também é nessa região?
    Desde já agradeço a atenção !

    • Olá Bruno!

      Realmente ali no oeste da Sicília as distâncias entre os lugares principais são maiores. Dependendo exatamente do que você quer ver, pode dividir a viagem em duas bases, uma mais ao norte, outra mais para baixo.

      Sim, a a vinícola Donnafugata fica em Marsala, assim como várias outras muito importantes como a Pellegrino, Florio, etc. Mas a Gulfi… a Gulfi fica na outra extremidade da Sicília, em Chiaramonte Gulfi, próximo a Ragusa! (por coincidência quase fui lá nesta segunda, mas não estvam fazendo reservas) rsrs

      Um abraço,

      Patricia

  2. peço sua importante dica para evitar problemas ao alugar casa de temporada – affitto temporaneo – em viagem para Castelvetrano e/ou Triscina (cidades de Trapani), referente a documentos, depósito, contrato, despesaas de água, luz, gás, etc., inclusas ou não no aluguel temporário.

    Obrigado.
    Pedro.

Comente!